98,9 SINOP
AO VIVO
COMPARTILHE
COM OS AMIGOS!
1 mês atrás - 26/11/2021

Laudo aponta que Marilia Mendonça morreu de politraumatismo

Foto: Instagram
Foto: Instagram

A Polícia Civil de Minas Gerais informou nesta quinta-feira (25) que Marília Mendonça e os outros quatro tripulantes da aeronave que caiu em Caratinga (MG) morreram instantaneamente. As autoridades deram uma entrevista coletiva para informar que todas as vítimas sofreram politraumatismo na tragédia ocorrida em 5 de novembro. 


Além da cantora sertaneja, estavam no voo o piloto Geraldo Medeiros, o copiloto Tarciso Viana, o produtor Henrique Ribeiro (conhecido como Henrique Bahia) e o tio e assessor da artista, Abicieli Silveira Dias Filho. Todos tiveram politraumatismo contuso no acidente, de acordo com o médico-legista Thales Bittencourt de Barcelos. 


Segundo ele, todos os ocupantes morreram com o choque da aeronave com o solo, já que bateram as cabeças e os corpos com o impacto. “Os trabalhos de necrópsia foram finalizados. Em ocasiões anteriores já havia sido explanada a presença de indicadores de politraumatismo contuso em todos as vítimas”, começou o agente. 


Barcelos explicou que foram analisadas amostras do piloto e do copiloto para identificar se eles teriam algum problema de saúde, ou se haviam ingerido substâncias tóxicas ou alcoólicas, em busca de descobrir qualquer fator que pudesse ter contribuído para o acidente. Todas os testes deram negativo. 


“Por segurança, o médico-legista coletou material para exames complementares que são realizados na capital, no Instituto Médico Legal em Belo Horizonte. Esses exames se prestam a identificar eventuais outras causas que poderiam contribuir de alguma forma com óbito. São exames toxicológicos, alcoólicos e exames anatomopatológicos, que são aqueles realizados em tecidos, como fragmentos de pulmão, de coração, de cérebro”. 


“Busca-se identificar uma eventual outra doença que a vítima possa ter e eventualmente ter associação com o óbito. Todos os exames dos tecidos vieram negativos para outras enfermidades que pudessem contribuir para a morte. Os exames de tecido confirmaram os traumas sofridos por todas as vítimas”, continuou ele. 


“Os exames toxicológicos e alcoólicos também não apontaram nenhum tipo de consumo de substância ou intoxicação que pudessem contribuir com os óbitos. Dessa forma, a conclusão final dos óbitos será por politraumatismo contuso para todas as cinco vítimas desse acidente aéreo”, concluiu o médico-legista. 


Em seguida, o delegado Ivan Lopes Sales, que comanda as investigações sobre o acidente, avisou que a polícia segue firme com a tese de que a aeronave caiu apenas porque batera em fios de alta tensão da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). 


 


 

FONTE: Jetss